VOCÊ NÃO É O SEU PENSAMENTO

Pensamentos negativos são inerentes a qualquer ser humano. Muitas vezes os pensamentos negativos atrapalham nosso dia-a-dia, e queremos por vezes nos libertar deles. Porém, quando esses pensamentos se tornam constantes acabam nos impedindo de manter a capacidade de lidar com as dificuldades da vida de maneira resiliente.


Diante de eventos em nossa vida, sejam eles positivos ou negativos, ocorrem duas situações concomitantes, nossos pensamentos e os sentimentos. Quando esse evento é ruim, acontece um movimento importante no cérebro. O sentimento age como um sinal de alerta a fim de evitarmos a situação novamente, e o pensamento vem para processarmos o que aconteceu.
Acontece que existe um pensamento chamado de ruminativo, ou seja, um pensamento negativo que ocorre incessantemente. Esse tipo de pensamento é muito comum em quadros depressivos e ansiosos.


É preciso então criar uma capacidade de lidar com esses pensamentos ruminativos, pois eles acabam amplificando o sentimento negativo, aumentam um nível inflamatório do corpo, e fazem com que evitemos atividades prazerosas.
Susan David, no livro Agilidade Emocional, nos fala sobre uma tirania da positividade, como se cada pessoa fosse “obrigada” a pensar positivamente e ter somente boas emoções. Nos seus estudos, ela percebe que, na tentativa de evitar os pensamentos ruins, “empurrando” eles para fora da mente, de maneira a negá-los, observou-se que esses pensamentos voltavam com maior intensidade. Ela, então, desenvolve um método de agilidade emocional, onde descreve 4 passos práticos para sair do ciclo de pensamentos negativos. São eles:


1 – NOMEAR e PERCEBER os pensamentos – identificar o que estamos pensando e sentindo; não precisa ser nada técnico, identificamos como os percebemos. A técnica de mindfulness (atenção plena) é de grande ajuda, entendendo que meditação não significa não pensar em nada, significa perceber os pensamentos;


2 – ACEITAR – entender que esses pensamentos fazem parte de você;


3 – SAIR – desenvolver a habilidade de que o pensamento é simplesmente uma reação do nosso corpo – aplicar o conceito milenar do budismo: “não sou aquilo que penso” e “não preciso acreditar naquilo que penso” são de grande valia;


4 AGIR – agir de acordo com os nossos valores. Compreender o que é importante em sua vida.


Precisamos então compreender que deixar de ter pensamentos negativos é impossível, somos seres de hábito, e o pensamento também se torna um. Às vezes precisaremos de muito treino, às vezes por dias, meses ou até mesmo anos, o importante é que seja uma prática diária, para minimizarmos aquilo que está demasiadamente enraizado.


Sentimentos ruins e pensamentos estranhos fazem parte da natureza humana, mas entender que “eu posso sentir raiva”, mas “eu não sou a raiva” é libertador. Deixe fluir, acolha, aceite, sem julgar. Observe seus pensamentos. É o que a ciência nos explica no conceito de METACOGNIÇÃO: somos seres capazes de pensar sobre aquilo que estamos pensando ou sentindo.


Lembre-se do item 4 da AGILIDADE EMOCIONAL, valorize aquilo que é importante em sua vida, busque algo que ocupe a sua mente. Quando focamos em coisas novas e importantes, o pensamento negativo deixa de ser alimentado.
Enfim, não existe nenhuma técnica mágica capaz de eliminar os pensamentos negativos, mas existem caminhos capazes de ajudar você identificar e trabalhar com eles.


Caso haja uma intensidade desses pensamentos negativos, principalmente os relacionados à morte, busque ajuda com um profissional da área de saúde mental.

Referências:
POE, Edgar Allan. O demônio da perversidade.
WEGNER, Daniel M. Ironic processes of mental control. Psychological review 101.1 (1994): 34.
David, Suzan. Agilidade emocional: abra sua mentem aceite e prospere no trabalho e na vida. São Paulo: Cultrix Ltda, 2018.

Parceiros