O desafio e o equílibrio de viver cada vez melhor.

Deise Tavares é Professora de magistério e do Ensino Público Estadual de SP há 35 anos, desde os 16 anos trabalha para ajudar voluntariamente pessoas em comum com alta vulnerabilidade, instituições, associações, fez trabalho em várias pastorais, da região onde mora Cidade Ademar na zona Sul de SP, chega a atender semanalmente casos e pedidos de ajuda de muita gente, na aflição e nas suas dificuldades encaminhando-as para serviços e locais que possam ajuda-las. Tem dois filhos Aline de 32 anos e Alan de 25 anos, e o neto Joaquin de 13 anos, foi mãe solteira com 20 anos, enfrentou muitas barreiras nesta época em 1985. Em 1990 conheceu seu esposo pai do segundo filho, e em 1992 se casou em uma linda cerimônia, com direito a festa e bolo dos sonhos, só teve um porém nessa festa, seu pai se recusou a leva-la para o altar e ir ao seu casamento, por uma série de preconceitos, e coisas que na época talvez o fariam passar vergonha, na cabeça dele e talvez de algumas pessoas também.
Seu pai faleceu em 2004 com câncer no Pulmão.

Na época beber e exagerar na dose já era comum, engraçado, estar no uso não era ser doente, as pessaos costumavam dizer que eram pessoas vagabundas, preguiçosas, e que não prestavam, entre vários outros termos e palavras de humilhação que nenhum ser humano gostaria de escutar.

Apaixonada, totalmente Codependente do seu parceiro por 27 anos, nestes anos todos, aos trancos e barrancos se desdobrou entre serviço da casa, cuidar dos filhos, trabalhar para ajudar no sustento e manter a família, seu esposo era dependente químico, alcóolatra, vivia quase que todos os dias sem noção do tempo, fazia seu bicos com manutenção e conservação de imóveis, tudo o que começava largava na metade, poucos eram os projetos que conseguia terminar, desde o namoro, notava sua predisposiçao a bebida, mas para sua inocência jamais iria imaginar que as coisas no decorrer dos anos fossem piorar em relação ao vício, tinha muita desconfiança de estar no uso também de outras subtâncias.

Os anos foram passando, tudo faltava, a casa ficou vazia, não haviam quase nem panelas, alumínio das janelas, ou qualquer objeto de valor que pudesse ter em casa, pois eram vendidos para pagar dívidas de bar e outras coisas mais, a droga da bebida ou seja lá o que for, haviam tomado conta do seu cérebro, quantas noites o filho e ela mesma não saiam a noite para busca-lo nas ruas e bares, no desespero tinham dias que ele se escondia no telhado de casa para poder beber, foram anos escutando, que ela não era nada, e que era uma mulher fraca, que preferia viver viajando, em outros lugares ao estar do seu lado, quando as crises eram fortes, arrumava as malas e ia para o interior para junto de familiares (as pessoas não sabem e não conhecendo a Dependencia química, pensavam sempre, que a parceira, é que tem a culpa de tudo).

Os anos foram passando, e em 2016 depois de um surto, naquela época ele vivia sujo, sem vontade de nada, até que depois numa discussão em um bar, apanhou, empurraram a cabeça dele num balcão, um ferimento feio, se recusou a ir ao hospital, depois de muitos xingamentos, foi feito um curativo em casa mesmo, foi aí que a decisão foi tomada era a hora de dar um basta, já eram anos sem namoro, sem troca de carinho, poderia ter se separado, mas a opção foi outra, pois o amor prevalecia talvez pela forte codependência, ela decidiu num domingo após a confusão interna-lo, nao entendia nada de Depedencia Química, grupos de apoio, Clínicas.. foi orientada através de uma amiga que também tinha uma filha adicta, sobre a remoção, a ligação foi imediata, conversou junto com o pessoal do resgate com o esposo, que sinceramente não teve tempo para pensar muito, na sua internação a um tratamento, ficou 6 meses, hoje sei que a recuperação é para vida toda, não existe cura, ele saiu limpo, mas não sóbrio, ainda havia um caminho a percorrer, pois aprendeu que a personalidade das
pessoas não mudam, somente se as próprias pessoas buscarem.

Deise em 2016 conheceu a ONG Amor Exigente, começou a frequentar o grupo de apoio rotineiramente, isso a ajudou a entender todo processo, aprendeu a escutar as partilhas de outras pessoas, acompanhou palestras, reforçou sua espiritualidade, fé, voltou seus estudos ao Comportamento, Dependência Química, acollhimento das familias, é voluntária e membro do grupo Brooklin onde tudo começou, membro do EDUCAE na zona sul de SP por três anos, hoje é Coordenadora Geral do Grupo Cidade Ademar na zona Sul de SP que foi fundado dentro da escola onde leciona, foi coordenadora do Amor Exigentinho em um projeto de 4 meses, elaborado por ela, dentro dos princípios básicos e éticos totalmente adaptado, com 32 crianças de 9 e 10 anos de idade de uma turma de 5°ano.

Em 2018 seu esposo adquiriu um Câncer de Esofago, foi tratado em casa por ela e o filho, usando sonda enteral, alimentação caseira própria para o tratamento, todas as medicações, foi internado, fez quimioterapia, radiologia, consultas, mas enfim, em outubro de 2019 ele acabou falecendo por conta de uma pneumonia, com 52 anos de idade, sequelas da doença do câncer por conta da dependencia química e do tabagismo por muitos anos seguidos.

O desafio de permanecer em equilíbrio segundo ela, ter fé, amar uns aos outros, esquecer a arrogância de pedir ajuda, e jamais deixar de dar as mãos e reconhecer o que cada um tem para oferecer, não esqueça de ninguém, pense no presente que o poder superior nos dá a cada dia, nao fique remoendo o passado, não seja crítico demais, seja leve e livre dentro dos limites que o criador nos concebeu.
Viva bem, com metas, determinação, faça projetos comece, e termine.
Seja feliz

Parceiros

1 comentário em “Deise Tavares – Professora”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *