Exponho aqui, alguns impactos sociais negativos do uso da maconha, bem como sobre os resultados desastrosos da legalização, em alguns países e estados americanos apresentados numa mesa redonda com a participação de vários especialistas no Brasil e do exterior embasados em diferentes estudos.

A legalização da maconha não é o caminho para a sociedade enfrentar os graves problemas das drogas.

Há vários impactos sociais do uso da maconha como no aumento de consumo, na segurança pública, no trânsito, na educação além do sistema de saúde e na economia.

Estratégias de alguns países como flexibilização do controle tem feito a população consumir mais essa droga . Um estudo americano realizado em Washington, entre 2009 e 20015, revela que a legalização da maconha recreativa pode ser uma porta de entrada para o uso de outras drogas ainda mais pesadas, especialmente entre pessoas mais jovens, que sofrem um impacto e danos ainda maiores.

Há vários estudos que comprovam o uso problemático após a liberação da maconha.

Interessante salientar que o cenário do tráfico da droga está relacionado à criminalidade em vários países que flexibilizaram o controle da maconha.

Estudo realizado em 2018, no estado americano do Colorado, afirma que houve um aumento de quase 8% da criminalidade após a liberação da maconha , em relação ao ano anterior.

O consumo faz elevar outros tipos de violência, como a doméstica, por exemplo.

Outro ponto de elevada importância a ser informado é que a maconha é a droga que mais coloca o indivíduo em contato com o sistema criminal em nível global.

Vários estudos têm mostrado a clara conexão entre o uso precoce da maconha e baixo nível de escolaridade e evasão escolar. O que faz impactar muito desfavoravelmente a vida do indivíduo.

No campo profissional, os usuários de maconha estão muito mais expostos à acidentes do que os indivíduos que não a consomem.

Há vários estudos que apontam a maconha como fator de risco para ansiedade, depressão, suicídios; trabalhos robustos do ponto de vista metodológico, que nos oferece a consistência das evidências tão importantes para que nos leve a atentar para este assunto e não nos deixe levar pelos argumentos para liberar a maconha em nosso País.

O evento contou com diferentes especialistas:

Abertura:

Dr. Arthur Weintraub – Secretário de Segurança Multidimensional OEA

Embaixador Adam Namm – Secretário Executivo da Comissão Inter-Americana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD)

Dr. Sérgio Queiroz – Secretário Especial de Desenvolvimento Social do Ministério da Cidadania do Brasil

Especialistas:

Dr. José Luis Vázquez – Especialista na Unidade de Redução da Demanda da Comissão Inter-Americana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD)

Dr. Luis Alfonzo Bello – Assessor em Abuso de Substâncias do Departamento de Doenças Não Transmissíveis e Saúde Mental – OPAS

Dr. Quirino Cordeiro Jr. – Secretário Especial de Cuidados e Prevenção às Drogas, do Ministério da Cidadania do Brasil

Encerramento:

Jimena Kalawski – Chefe da Unidade de Redução da Demanda da Comissão Inter-Americana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD)

Moderadora:

Isabella Araújo – Oficial de Programas da Unidade de Redução da Demanda da Comissão Inter-Americana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD)

Parceiros