Circuito Psicossomático: como surge a doença psicossomática.


Para entendermos melhor o circuito psicossomático, devemos partir do princípio de que em nossa mente existe uma divisão psíquica: o Consciente e o Inconsciente.


No Consciente, estão informações, desejos, regras, medos, e outros sentimentos que nós conhecemos, refletindo em lembranças e ações intencionais. Já no Inconsciente estão os desejos, fantasias, sensações e lembranças que estão guardadas, como coisas pouco usadas num quartinho nos fundos de nossa casa, e expressam-se no nosso cotidiano através dos sonhos, atos falhos e lapsos de memória.
Nossa mente e nosso corpo sofrem influências do mundo o tempo todo, a sociedade que vivemos, os compromissos, a mídia, entre outros, e este é o curso natural da vida.


Porém, quando vivenciamos uma situação que nos incomoda muito, o Inconsciente é o primeiro a perceber tal desconforto e, a partir disto, tenta se comunicar com o Consciente, como quem diz: “Faça algo! Isso está nos fazendo mal!!”. Mas o Consciente não entende, ou não pode reagir naquela situação, pois existem regras, cordialidades e padrões da sociedade que devemos respeitar.
Mas, me dá um exemplo….

Cobranças extremas em ambiente de trabalho, incompatibilidade em ambientes sociais, maus tratos, dificuldades financeiras, falta de diálogo em ambiente familiar, entre tantos outros…
Após algumas tentativas frustradas, o Inconsciente começa a enviar sinais através do nosso corpo, na tentativa de trazer à consciência que algo está nos prejudicando, nos adoecendo. Surgem então os sintomas da doença psicossomática. São alguns deles: dores, fadigas, adição de drogas, sejam elas lícitas como medicamentos para dor ou ilícitas, alergias e falta de ar.


Se ainda assim o indivíduo não perceber os sinais e não procurar lidar com este desconforto psíquico, a doença se instala.
Algumas das coisas que diferenciam uma pessoa que adquiriu uma doença psicossomática de uma que não adquiriu são a intensidade e freqüência de estresse que eles vivenciaram as situações a que foram expostos e a pré-disposição genética individual.
Como exemplos de doenças psicossomáticas podemos citar: Psoríase, Acne, Dores Crônicas na Coluna, Obesidade, Asma, Enxaqueca, Dependência Química, Labirintite, etc.


A melhor forma de evitar ou prevenir a doença psicossomática é por meio de psicoterapia, à procura do autoconhecimento, quando é possível descobrir algumas válvulas de escape desse estresse e aprender a enfrentar os problemas de forma mais saudável.
Quando a doença já se instalou no organismo, a psicoterapia também é fundamental, pois abranda e até contribui para o desaparecimento dos sintomas. Mas neste caso, assim como na manutenção dos sintomas quando muito extremos, é muito importante que se faça um acompanhamento médico.

Natale Nassif Molina
Psicóloga

Parceiros